Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

livros-abertos

uma bibliografia de trazer por casa



Sábado, 05.10.13

"Guia para 50 personagens da ficção portuguesa" de Bruno Vieira Amaral

Amaral, Bruno Vieira. 2013. Guia para 50 personagens da ficção portuguesa. Lisboa: Guerra & Paz

 

A 4 de outubro de 2013 estive na apresentação deste livro, feita pelo próprio autor, na Biblioteca Municipal de Mondim de Basto. Bruno Amaral sublinhou a importância da relação que se estabelece entre o leitor e "a" personagem. Somos seres de relação e a literatura é uma manifestação dessa condição. Segundo o autor, a profundidade dos relacionamentos que estabelecemos com as personagens das nossas leituras chega a ser, com relativa facilidade, mais forte do que as que estabelecemos com pessoas reais. Numa espécie de confidência afirmou ter chorado após a leitura do episódio da morte do velho Afonso Maia (de Os Maias de Eça de Queirós): "tive de fechar o livro e chorei" como se de um familiar próximo se tratasse.

Questionado, após a sua intervenção, sobre a forma como via o sucesso literário de alguns autores que muito devem ao facto de, à partida, serem figuras públicas de outras áreas de intervenção, nomeadamente animadores e "pivots" de canais de televisão, Bruno Amaral disse haver necessidade de distinguir entre "literatura" e "publicação de livros". Sublinhou, no essencial, o que já havia afirmado na sua intervenção: ler certos livros é um mero exercício lúdico, como fazer uma viagem num "comboio de feira"; entramos, fazemos um determinado percurso por entre uns quantos cenários e situações, mais ou menos surpreendentes, mas logo regressamos ao ponto de partida; saímos como entramos; a leitura em nada tocou o nosso ser, em nada nos modificou; não é assim com a literatura; esta afecta-nos realmente e, após a viagem que através dela empreendemos, após o convívios com a personagem ou as personagens dessa ficção, somos "outro", somos diferentes.

O texto lido por Bruno Amaral, na sessão de apresentação, está publicado no seu "blog" Circo de Lama, sob o título Criar Personagens. Vale a pena lê-lo. Não apenas pela sua qualidade literária como pela reflexão sobre o tema da criação da personagem, do modo como o autor com ela convive e, enfim, chega ao leitor. 

O livro, em si, é um catálogo de "bonecos", um album de "cromos" que o autor compôs criteriosamente e guardou para si ao longo de anos de leitura. Cada referência deste catálogo, "jardim antropológico da ficção portuguesa", no subtítulo, é um pequeno ensaio, de duas páginas, que esboça o retrato, sobretudo psicológico, da personagem escolhida, no seu contexto social. Uma ilustração da sua condição limitada e efémera, filtrada pelo olhar do seu criador (o autor do romance de onde é retirado), do Bruno Amaral e, por fim, como num jogo de espelhos, por nós, enquanto leitores do leitor e deste leitor-narrador.

 

Amostras:

 

Sobre Walter Glória Dias, personagem de Lídia Jorge, do romance O Vale da Paixão (1998):

"Podíamos dividir as personagens de ficção em duas categorias: os sedentários e os nómadas. Os que não saem de um limitado espaço geográfico, embora emocionalmente possam navegar para muito longe, e os que têm no mundo inteiro a sua casa, nascidos sob o signo da êrrância." (Amaral 2013: 33)

 

Sobre o Viúvo, personagem de Fernando Dacosta, do romance O Viúvo (1986):

"Por cada homen que embarcou nas caravelas, por cada emigrante que partiu à procura de uma outra vida, por cada soldado para as colónias, houve sempre alguém que ficou, sedentário, cingido à terra como um enxerto numa árvore, incrustado na ferida do país, a sonhar o que os outros fizeram, observando-os a uma distância segura." (Amaral 2013: 37)

 

Sobre Juliana, personagem de Eça de Queirós, do romance O Primo Basílio (1878):

"Nem sequer admitimos a redenção, ela [a personagem] que nem pense em arrepender-se. Queremos que prossiga na senda da maldade, até ao fim, para que o castigo - tem de haver um castigo - sacie a nossa sede de justiça e a ficção cumpra a sua função catárquica." (Amaral 2013: 45)

 

Sobre o Professor, personagem de José Rentes de Carvalho, do romance A Amante Holandesa (2003):

"Um dos fascínios de ficção é o de nos predispor a simpatizar com pessoas que, se fossem reais, não hesitaríamos em condenar. (...) As palavras que aparecem em Guerra e Paz tranquilizam-nos a consciência: «Tout comprendre, c'est tout pardonner.» E nós compreendemos este homem. E perdoamo-lo. (Amaral 2013: 195 e 196)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por JNobre



Outros lugares

foto do autor

  • [+]
  • 5 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031




Tags

mais tags